Buscar por:  


Investimento privado para o bem do Brasil



Em artigo publicado no Estadão, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, avalia que em meio à crise fiscal, o crescimento econômico não pode depender apenas dos gastos dos governos

Existe um consenso no mercado de que em 2020 a economia brasileira terá um ritmo de expansão maior do que teve nos últimos três anos. É uma excelente notícia. Mas a principal novidade está na forma com que isso deve ocorrer. O setor privado ganhou mais protagonismo e o destaque deve ser para os investimentos. Se a agenda de melhora do ambiente de negócios for, de fato, viabilizada, o país deverá crescer mais intensamente e melhor, possibilitando avanços por um período mais longo.

O aumento da demanda por meio do consumo propicia a elevação da produção e da oferta de serviços, mas o crescimento baseado neste modelo esbarra em limites. Um deles é a própria capacidade produtiva – o número de máquinas, fábricas e estabelecimentos comerciais, por exemplo. Outra limitação decorre de mudanças tecnológicas, que, se não absorvidas, podem tornar os produtos nacionais menos competitivos, em qualidade e preço, nos mercados interno e externo.

Um crescimento consistente e sustentado só virá com investimentos e a ampliação da capacidade produtiva e a elevação da produtividade das empresas industriais. É fundamental, também, modernizar a infraestrutura, que é deficiente em várias áreas, aumentando a competitividade do país e a qualidade dos serviços.

Ressalte-se que a taxa de investimento em relação ao PIB do Brasil está aquém do necessário: caiu de 20% do PIB, em 2013, para 15,4%, em 2018. Dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostram que 151 países tiveram taxa de investimento maior do que o Brasil em 2018, quando a média anual foi de 26,3%. Ficamos atrás de nações da América Latina e do Caribe (média de 19,6%) e do conjunto dos países emergentes (33%). Essa enorme distância que nos separa dos nossos principais concorrentes precisa ser reduzida urgentemente.

A boa notícia é que a pesquisa Investimentos na Indústria, realizada no fim de 2019 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou que a frustração dos planos de investimento industrial no ano passado foi a menor da década. O elevado porcentual de efetivação dos projetos sugere mais confiança das empresas na realização de investimentos futuros, que deverão ter alta significativa ainda neste ano. As empresas industriais iniciaram o ano com condições financeiras mais favoráveis e menor endividamento, a ociosidade também começa a cair e a demanda já dá sinais de que está melhorando.

Ao mesmo tempo, a expectativa geral é de otimismo, sobretudo com os avanços nas reformas estruturais, essenciais para tornar o ambiente mais propício para investimentos. O levantamento da CNI mostra, também, que o porcentual de empresas que pretendem investir em 2020 é o maior dos últimos seis anos e, ainda, que a indústria deverá puxar o crescimento da economia.

É necessário aproveitar este momento promissor, tornando as regras mais claras, aumentando a segurança jurídica e eliminando a tributação sobre bens destinados à produção. O aperfeiçoamento dos marcos regulatórios e das estruturas de gestão e planejamento setoriais é fundamental. É indispensável, também, aumentar os incentivos e os investimentos em pesquisa e inovação.

Outro problema a ser superado é a excessiva dependência de recursos próprios como fonte dos investimentos. O ainda elevado custo de capital, aliado à falta de acesso por dificuldade de garantias e pela inexistência de linhas de financiamento apropriadas, diminui o uso do crédito de longo prazo, o que atrapalha a concretização dos projetos.

Em meio à crise fiscal, o crescimento não pode depender apenas dos gastos dos governos, cuja capacidade de investir é muito limitada e, em alguns casos, até inexistente. O setor privado vai ser cada vez mais importante na ampliação dos investimentos. Em razão disso, a atuação das empresas deve ser estimulada por medidas firmes de política econômica. Esta é a chave para a retomada do desenvolvimento econômico e social do país e, por consequência, para a geração de empregos, o aumento da renda e o bem-estar da população.

Robson de Andrade - Empresário e presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)



Índice


Envie para um amigo.
Número: 241
Março/2020

Outras edições
select



Buscar matérias

Informaq

José Velloso, presidente executivo da ABIMAQ, integrou missão comercial com investidores e empreendedores aos Emirados Árabes Unidos no período de 8 a 17 de fevereiro. Leia mais...

A pauta das audiências foi sobre as mudanças no sistema de financiamento e garantia às exportações. Leia mais...

A ABIMAQ, representada pelo presidente executivo, José Velloso, participou no dia 03 de fevereiro de reunião-almoço promovida pela Federação das Indústria do Estado de São Paulo. Leia mais...

Com o objetivo de avançar na definição de uma estratégia de mobilização e comunicação, no combate aos itens que compõem o Custo Brasil. Leia mais...

Com a objetivo de apresentar o Programa de Melhoria Contínua da Competividade, Rogério Cayubi, Conselheiro Executivo do Movimento Brasil Competitivo (MBC). Leia mais...

O autor do projeto da Reforma Tributária (PEC 110/2019 do Senado), ex-deputado Luiz Carlos Hauly, esteve na sede da ABIMAQ, no dia 15 de janeiro, para falar sobre a Reforma Tributária . Leia mais...

O presidente do Conselho de Administração e o presidente executivo da ABIMAQ, João Carlos Marchesan e José Velloso, respectivamente, acompanharam as apresentações do Embaixador do México no Brasil. Leia mais...

Evento de posse contou com presença de diretores da ABIMAQ. Leia mais...

Com o objetivo de apresentar a transformação digital da indústria, novas tecnologias, indústria 4.0, linhas de financiamento para inovação e a escola móvel do Senai, a ABIMAQ Piracicaba . Leia mais...

Para apresentar soluções dentro da Indústria 4.0, representantes das empresas Audaces Automação Industrial e Weg Digital, além do SIDIA - Instituto de Ciência e Tecnologia. Leia mais...

Para debater temas como compliance, reforma trabalhista, perspectiva para 2020 e criação de normas para galpões estruturados lonados, o recém-criado Grupo de Trabalho de Estruturas Modulares. Leia mais...

Está previsto o investimento de mais de R$ 2 bilhões de reais para fazer a despoluição do Rio Pinheiros até dezembro de 2022. Leia mais...

Palestrante convidado, Roberto Padovani, economista-chefe do banco Votorantim, ressaltou que o crescimento do Brasil será liderado pelo investimento do setor privado. Leia mais...

Evento teve apresentações de representantes da Seara, Tetra Park, Braskem, Nokia, HP, Instituto de Embalagens, Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) e do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL/SSA). Leia mais...

Melhor custo x benefício e maior visibilidade nos eventos são atrativos para participação das empresas nos espaços coletivos organizados pela ABIMAQ. Leia mais...

Empresas participantes do seminário do Conselho de Tecnologia da associação tiveram oportunidade para se aprofundar no tema e tirar dúvidas. Leia mais...

Até fevereiro de 2020, a EMBRAPII já apoiou 864 projetos de 598 empresas com o aporte de mais de R$ 1,4 bilhão. Leia mais...

Confira abaixo a programação de treinamentos disponíveis para o mês de março até início de abril de 2020. Leia mais...

No dia 29 de janeiro, a diretoria da ABIMAQ se reuniu com o João Pinto Rabelo Junior, vice-presidente de Agronegócios e Governo do Banco do Brasil e Carlos Aguiar Neto. Leia mais...

Representantes da empresa Serasa Experian e do banco de fomento participaram do encontro e revelaram novidades em seus produtos e serviços. Leia mais...

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) abriu consulta pública para sugestões e comentários acerca da minuta de Portaria sobre o Drawback até 30 de março de 2020. Leia mais...

Secretaria de Comércio Exterior (Secex) publica nova Portaria que disciplina as avaliações de Interesse Público para direitos antidumping e medidas compensatórias. Leia mais...

A indústria de máquinas e equipamentos brasileira encerrou o mês de janeiro de 2020 com um total de faturamento de R$ 7,9 bilhões, queda de -3,6% em relação ao resultado de janeiro de 2019 (R$ 8,18 bilhões). Leia mais...

Em artigo publicado no Estadão, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, avalia que em meio à crise fiscal, o crescimento econômico não pode depender apenas dos gastos dos governos. Leia mais...

Apoio institucional