Buscar por:  

Foco no crescimento



2017 é um ano que promete. E aqui na ABIMAQ começamos com o pé direito. A PEC dos gastos foi aprovada, o que significa que o governo deve gastar menos. A inflação está baixando e sentimos no ar um certo clima de recuperação econômica, além de assistirmos a um comprometimento do governo com a queda dos juros.

Podemos dizer que, após anos de recessão econômica e um trabalho incansável da ABIMAQ junto aos Poderes constituídos, começamos a ver uma luz no final do túnel e, principalmente, algum resultado de todo o trabalho que realizamos.

O anúncio por parte do governo de queda de 0,75% na taxa SELIC na última reunião do COPOM, embora ainda seja pouco, é extremamente interessante para o setor produtivo, que pode criar um maior número de empregos no mercado interno.

Uma melhora na indústria de máquinas e equipamentos pode melhorar a economia como um todo, incrementando, inclusive, o mercado interno, na medida em que, certamente, gerará vários postos de trabalho, contribuindo para diminuir o número de pessoas desempregadas.

De outro lado, além dos indícios gerais de ânimo econômico, ainda podemos falar dos indícios específicos. O anúncio feito no mês passado pelo BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social de ampliação de crédito às micro, pequenas e médias empresas é de absoluta relevância para o segmento de máquinas e equipamentos.

Na prática, em suas novas políticas operacionais, o BNDES criou uma nova estratégia, em que as novas condições de financiamento passam a refletir atributos qualificadores dos projetos apoiados e não mais a lógica setorial. Trata-se de mudança relevante que traduz uma atuação horizontal do BNDES, refletindo a prioridade do banco em financiar projetos que apresentem benefícios para a sociedade. A mudança cria o conceito de “qualificadores de prioridades”, ou seja, investimentos em educação, saúde, inovação, exportação, meio ambiente e infraestrutura passam a ter melhores condições de financiamentos, em juros e prazos. 

Haverá também uma maior seletividade nos financiamentos atrelados à TJLP - Taxa de Juros de Longo Prazo, para assegurar melhores condições aos investimentos com impactos relevantes sobre a geração de empregos, aumento de produtividade e incremento de qualidade de vida da população, ou seja, geração de benefícios nas dimensões econômica, social, ambiental e regional.

Dentro dessa nova premissa, consideramos uma excelente notícia o fato de o setor de bens de capital (BK), especificamente o de máquinas e equipamentos, ter sido considerado estratégico e, portanto, qualificado como prioritário.

Assim, as principais linhas de apoio ao setor de máquinas e equipamentos que terão a utilização de TJLP são: BNDES Automático, BNDES FINAME, BK Produção, Moderniza BK, BNDES Progeren (capital de giro – agora com operações diretas e indiretas – podendo ser até 100% em TJLP) e BNDES Exim para exportações. 

O FGI (Fundo Garantidor) teve sua cobertura ampliada, de 70% para até 80% do financiamento, reduzindo a necessidade de garantias reais por parte do mutuário, que terá também a opção de oferecer recebíveis da sua carteira. Portanto, de uma forma geral, as medidas anunciadas foram boas e atenderam aos pleitos da ABIMAQ.

De outro lado, a publicação da Medida Provisória que trata do parcelamento dos débitos fiscais e, portanto, cria o REFIS,  atende parte das nossas associadas, e as que não são atendidas ainda temos chance de intervir junto ao governo, por meio da Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos, que irá propor uma emenda que contemple a inclusão de um pedido de carência de dois anos, correção por IPCA mais 2%, algum perdão de multas e juros de mora, prazo de 20 anos e inclusão de dívidas contraídas até dezembro de 2016, além do gatilho. 

Com isso, podemos conseguir sair do círculo vicioso das dívidas dos tributos e dar início a um círculo virtuoso de crescimento do nosso setor.

No final do mês, ainda para aumentar o ânimo, fizemos um convênio com o Banco do Brasil,  para fomentar a cadeia produtiva do setor de máquinas e equipamentos e desencadear novos investimentos.

Vamos continuar envidando todos os esforços no sentido de restaurar a nossa competitividade e crescimento. 

João Carlos Marchesan
Presidente
Conselho de Administração
ABIMAQ / SINDIMAQ



Índice


Envie para um amigo.
Número: 207


Buscar matérias

Palavra do Presidente

Após reiteradas reuniões com o governo no sentido de alertar sobre os riscos do setor de bens de capital e entregar estudos e pleitos que restaurem a competitividade

2017 é um ano que promete. E aqui na ABIMAQ começamos com o pé direito. A PEC dos gastos foi aprovada, o que significa que o governo deve gastar menos.

É o melhor que podemos esperar para 2017.

O acentuado processo de desindustrialização em que o Brasil se encontra e a não existência de uma política industrial que efetivamente desonere os investimentos...

O discurso de exposição da nossa real situação em todas as possibilidades que temos dispensa maiores explicações.

Iniciamos o segundo semestre de 2016 com a convicção de que, apesar do atual cenário nada confortável da nossa economia, o Brasil continua sendo um país viável. Leia mais...

Estamos assumindo a Presidência do Conselho de Administração da ABIMAQ / SINDIMAQ com a convicção de que temos enormes desafios pela frente. Leia mais...

Tudo indica que, nos próximos dias, provavelmente até 15/05/16, o Senado Federal deverá deliberar pelo acolhimento, ou não, do processo de impeachment contra a atual presidente da República.

A ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, entidade que representa mais de 7,5 mil fabricantes de máquinas e equipamentos em todo o território nacional, acredita que as instituições brasileiras...

É fato, e ninguém discorda, que a indústria do aço no Brasil vive uma grave crise. Mas, e os demais setores da indústria de transformação que se utilizam do aço como seu principal insumo. Leia mais...

Estamos iniciando 2016 cientes de que teremos um ano bastante duro pela frente. Os indicadores econômicos atuais e as projeções para o ano não são nada animadores. Leia mais...

Chegamos ao final de mais um ano e o balanço, mais uma vez, não é nada positivo. Leia mais...

Temos acompanhando ao longo de 2015 todos os esforços do governo em tentar implementar o ajuste fiscal, o qual reconhecemos ser necessário e emergencial para a retomada da confiança e da credibilidade em relação à economia brasileira. Leia mais...